Filme - Cidade dos Ossos










Clary Fray (Lilly Collins) presenciou um misterioso assassinato, mas ela não sabe o que fazer porque o corpo da vítima sumiu e parece que ninguém viu os envolvidos no crime. Para piorar a situação, sua mãe desapareceu sem deixar vestígios e agora ela precisa sair em busca dela em uma Nova Iorque diferente, repleta de demônios, magos, fadas, lobisomens, entre outros grupos igualmente fantásticos. Para ajudá-la, Fray conta com os amigos Simon (Robert Sheehan) e o caçador de demônios Jace Wayland (Jamie Campbell Bower), mas acaba se envolvendo também em uma complicada paixão.

Gostei dos atores, e o filme é 'inspirado' no livro, não uma versão fiel... ficou bonzinho.
Ficamos até tristes no fim de semana, tentando encontrar um bom filme, e esse conseguimos ver até o fim.

Clary começa estranhando os símbolos que desenha, e o comportamento diferente de sua mãe, que começa a sufocá-la não permitindo que ela saia de casa. Em uma boate, ambiente que não combina em nada com ela e Simon, Clary vê três pessoas matando o carinha que facilitou a entrada deles lá, mas parece que só ela conseguiu ver isso.

Um dos três assassinos é Jace, e Clary começa a notar que ele está sempre perto, então fala com ele na esperança de entender o que está havendo. (aaaah vá... ela viu o cara matando outro e vai atrás dele?!!!!)

Infelizmente, um filme nunca vai chegar aos pés de um livro, já comentei isso antes e acho besteira exigir que consigam colocar 500 páginas em 1h30m, mas em 'Cidade dos Ossos' eles poderiam ter contratado uma equipe melhor para não cometer tantas falhas. Dá a impressão que eles leram apenas um pedaço do livro e ligaram pontos a esmo. Realmente, foi apenas 'inspirado'.

Para quem não leu, ficam muitos questionamentos sem resposta. Uma mordida de vampiros não faz efeito? Como explodir uma cozinha sem danificar os móveis? Porque lobisomens não se transformam na hora da briga??????

Maaaaas, o filme foi legalzinho... deu pra curtir um bom momento com meu digníssimo (e muitas críticas... rsrsrsrs).

Nenhum comentário: