Um tempo que não volta...


Volta e meia me pego pensando no tempo, se eu utilizo bem as horas e dias que Deus me dá, se eu poderia aproveitar melhor e como fazer isso, em como alguns dias que se passaram foram tão bons, em como alguns dias que virão prometem ser ainda melhores. ^^

Quando vocês chegarem perto dos trinta saberão (ou não) que a gente fica mais filósofo a medida que a velhice vai chegando podem me chamar de vovó Cássia

Dessa vez, o que me fez pensar nisso foi meu querido irmãozinho-filhote, que adotei lá pelos meus 10 anos, quando ele nasceu. Amo conversar com ele, e fico feliz demais quando vejo que ele conta comigo para alguns desabafos. 

Alguns dias atrás, em uma das ligações ou conversas pelo face, ele me contou que estava meio preocupado com o tempo, pois é período de estudo intensivo para o vestibular e não podemos brincar nessas horas (meu tempo foi beeem aproveitado nesse período, enfiei a cara nos livros e só tirei depois que passei no vestibular? Não... depois que terminei a facul? Não... foi depois que passei no concurso, e nem poderia ter diminuído o ritmo, já que pretendo passar em um outro concurso). O fato é que meu irmão está preocupado, pois queria tempo para dedicar a alguns assuntos pessoais de suma importância e os horários não estão batendo.

Até falei a ele que não se desesperasse, mas ele é irmão de quem é e tinha que herdar essa agonia toda, essa mania feia de querer tudo pra ontem, de tentar abraçar o mundo com o corpo todo... Só um aviso: Não dá ok? Eu já tentei e minhas pobres e pequenas pernas estão com os ossos esticados até hoje.

Há coisas que só entendemos quando o tempo nos ensina, e paciência é uma delas. Enquanto não aprendemos isso, vivam. Mas não cobrem demais de si, a gente não morre se não passar de primeira em algo, e não morremos se alguma de nossas obrigações não for cumprida no dia. Outra coisa, quando amamos uma pessoa e essa pessoa nos ama da mesma forma, aprendemos a respeitar o tempo uma da outra e a nos esforçar para aproveitar o tempo que tivermos juntos.

Já dá... já dá...
(continuamos quando esta mente que vos escreve surtar novamente)

E você? Como utiliza seu tempo? Que problemas você acredita ter por falta (ou sobra) de tempo?

Nenhum comentário: